caio - procedimento de rotina

a partir da leitura de Caio Fernando Abreu, passei a olhar para a minha própria condição homossexual e a procurar nela uma consciência e uma poesia. Esse blog mostra todo esse processo de buscas e pesquisas.

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

feliz MMXI! happy MMXI!

To earn a New Year
worthy of the name,
you, my dear, you have to earn it,
you have to _make_ it new, I know it's not easy,
but try, experiment, consciously.
... It's inside you that the New Year
is dozing and forever waiting.

Carlos Drumond de Andrade

Para ganhar um ano novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
...É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

domingo, 5 de dezembro de 2010

desindiscrição: boa sorte.

Ele chega. 
Já umas 2horas da manhã. Da noite de lua. De uma solidão de horas na net.
De um nem mais querer. 
Querer nunca ter querido.
Você pulou o muro? 


Ele já dentro. Grade da porta da varanda.
Ele olhou de volta pro ponto onde outros já, antes dele - por ali. Aponta outro ponto.
Embora eu não nutrisse um tesão especial por ele, entra.
Queria fazer uns negócios.
Reajo contra a invasão.
Quer que eu volte? menção de sair. Como eu não suplicasse, nem nada: riu, e voltou. Consegue imaginar a cor do sorriso?
Era boa a sensação de poder, que só tem o que não ama. Ou seria isso também amor?


Foi forte. Bom. Uma máquina, quase perfeita em quase todos os aspectos. Sentia emoções, até.
Tenho uma dívida com ele. Na verdade eu não aguentei. 
Eu posso dizer que tenho sorte.


Boa sorte!

o sexo é amor?



A vantagem de ter péssima memória
é divertir-se muitas vezes com as mesmas
 coisas boas como se fosse a primeira vez.

sábado, 4 de dezembro de 2010

dia de visita!



veias!


TOM OF FINLAND FOUNDATION

Carlos Quiroz
Pulse
1990 - 10.5" X 10.5" - Silver print - edition of 30 - signed
$1,500.00
#285
























terça-feira, 23 de novembro de 2010

domingo, 7 de novembro de 2010

Sem imagens!!

Infelizmente não tem nenhuma imagem do que se passou.

Quando eu desci pra compras e o Paulo estava comigo, de visita, foi quanto o vi. Ele ja parecia meio bêbado. Era sábado, nada dizia o que se passaria mais tarde.

http://eudesabafos.blogspot.coml
Chegamos em casa e conversamos longamente eu e Paulo. Ele apareceu, transformou a conversa, tomou banho e saiu de toalhinha cobrindo a parte inferior do corpo. O Paulo só elogiou a bunda dele e quando vi a toalha já estava levantada e o Paulo acariando contornos.

Ele se deitou no tapete da sala depois que eu me banhei.

Eu corri pra suas nádega, arranquei a cueca dele.

Montei.

Safadeza, pura safadeza. Adoro!

Acabou no banheiro. Tres.

Tem horas em que a vida vale a pena.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

B
A
N
H
O
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!

.................................ganas


sábado, 25 de setembro de 2010

Miau!

De repente, ele aparece. Não. Não era quem se esperava, porque  não se esperava mais ninguém.
Quando alguém que realmente importa não nunca mais virá, de repente a gente se percebe não esperando mais ninguém. É quase triste. Mas lá do fundo, sabe Deus de que, é bom. Acho que é bom. Só porque é assim, deve ser bom. Mas... ele.

A gente esteve juntos pela segunda vez agora. A gente se vê quase todos os dias. A gente não se conhece, além daqui. Além dessa cama. Além dessa sala. Desse banheiro. Além de suas poucas palavras, em baixo tom : fica na baixa. Claro que eu fico.

Sem ser, ele é lindo. Talvez até por isso. Não me chama de nada. Não diz meu nome.

O que deu em você? pergunto. Sei lá. Eu quis e vim.
Melhor assim pensei. Eu quis e deitei. Eu quis e fiz tudo que devia ser feito. Eu não quis, mas ele se foi.

Eu nunca esperava, eu disse. Nunca espere, ele aconselhou. Assim é melhor.

Disse que volta. Disse que vai sim querer voltar. Eu nunca acredito. Passei a achar melhor que eu não acredite, além de não esperar.

terça-feira, 13 de julho de 2010

sábado, 12 de junho de 2010

Caio Fernando Abreu, MAIS




e tudo que eu andava fazendo e sendo eu não queria que ele visse nem soubesse, mas depois de pensar isso me deu um desgosto porque fui percebendo, por dentro da chuva, que talvez eu não quisesse que ele soubesse que eu era eu, e eu era.Caio F. Abreu


Além do Ponto.

domingo, 6 de junho de 2010

eu não sou o que eu me construi sendo. Agora deu um colapso entre essas duas coisas, porque não havia duas, era tudo uma só.


E na verdade nem havia Eu. Que merda! 


A parte que tentava entender não podia, pensava que tinha razão. Enquanto o mundo se movia por dentro, e como nada na cabeça pudesse justificar, inventava para cada ação sua justificativa, tentando se criar um pouco acima do ser humano, pra não constatar que tinha merda na barriga, igualzinho aquele sujeito que por alguma razão aprendeu a odiar. E que passaria sabe Deus quanto tempo implorando o seu amor, sem o saber.


aprendeu assim odiar o pai a mãe e os vizinnhos todos um a um. Se fosse necessário fugiria. Não admitiria em si o mesmo equivoco: ser humano. Por isso partiu a primeira vez. As outras todas, já nem precisava de motivos: o mundo não presta, ou nunca presta o suficiente, qualquer um sabe disso.


E o pior já sabia, não havia céu, desde aquele momento já sabia. Sabia de tudo, sempre se pensou sabendo de tudo. Se assim não o fosse como então seria?. Era sabido assim. Mas por via das dúvidas começou a ler todos os manuais. Procurou sempre os recomendados pelo menor número de gente possível, para garantir assim um certo afastamento da mediocridade.


So não contava com o tempo. O poder do tempo é o de ruir.



domingo, 23 de maio de 2010

IV ENSAIO PÚBLICO - 20.05


fotos: Mary Vaz

terça-feira, 18 de maio de 2010

RELATORIO -

RELATÓRIO: CAIO – Procedimentos de Rotina.
Maio/2010
Um dia, lendo um dos livros de Caio Fernando Abreu (os dragões não conhecem o Paraíso) , tive a impressão que os contos ali colocados, eram parte da história do autor. Era impossível, pra mim, que alguém conseguisse tanta verossimilhança, sem um envolvimento real com cada uma daquelas histórias.
                Interessei-me mais ainda pelos contos e por outros livros do autor. A idéia de realidade passada a limpo, não fugia da minha cabeça. Entendi aos poucos o que ele dizia quando escrevia que a literatura era um modo de se salvar, de sobrevir à vida. Era, pra mim, como se escrevendo, revendo-se, ele poderia se entender mais, se desculpar, se justificar, mas sobretudo se perdoar. Era assim que, me parecia, a literatura o salvaria.
                Eu também achava que o amor e o sexo haviam me tomado os anos.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Jogadores Pelados

Cena real em que um jogador faz um gol com o pau e depois outros ficam pelados também!

sábado, 8 de maio de 2010

procedimento de rotina #2

Testes com Procedimento de Rotina no espaço de ensaio (fotos - Denis Costa)


Oi,
Sabe, depois de tudo  que aconteceu, e não aconteceu, parece sempre que ficaram coisas pra dizer.
Mas eu prefiro não, nem dizer mais nada. Me pego escrevendo, escrevendo, sempre as mesmas coisas. As mesmas coisas. Gostei desse nome: esse quadro vai se chamar as mesmas coisas. Bom, é preciso seguir a vida. Te amando, fingindo que te amo, fingindo que não amo ninguém. Enfim. A vida é isso.A vida é isso? Que merda! A vida é isso. Eu queria mais. Eu pensei que poderia querer mais. Mas sabe eu entendi também isso por sua causa, não dá pra querer mais. Só dá pra querer o que pode ser. O que não pode ser a gente não deve querer. Mas a gente não é assim. A gente quer sempre o que não tem, o que também parece obvio, porque se você tem pra que querer, não é?
Mas eu estou mais tranqüilo, teve um tempo em que até uma musica brega. Perai.Eu ficava ouvindo aquelas músicas que eu passei a odiar.  E gostava de ficar lembrando de como a gente era feliz. Feliz. Feliz, eu não sei se sei o que isso significa mais. Eu sei    que a gente é sempre feliz e infeliz, tudo ao mesmo tempo, você gosta disso? Você gosta de saber que amanhã, hoje, depois, pouco importa?
Eu me acostumei com o dia a dia. Me acostumei com o que sempre estive acostumado e que por uns dias. Dias? Meses? Anos? Quanto tempo afinal? Quanto tempo faz a gente se conhece. Quanto tempo faz que eu sei que poderia viver essas coisas que nunca mais poderei esquecer. Quase como um castigo, sabia? Eu não sei porque que a gente vive afinal. Não sei se a idéia de deus, não, Deus deve ser escrito em maiúscula. 

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Procedimento de Rotina #1


Sonhei que os vidros do perfume que você me deu derramavam seu líquido infinitamente no nada, eu não conseguia detê-los.

Nem sei se queria.

Ouvi você me chamar, eram três da madrugada, eu acho. Eu queria ter não sei que forças prá me levantar e te ver. Sem me importar de estavas bêbado, noiado, ou sei lá que mais drogas você anda usando. Mas eu não podia, eu sabia na minha cabeça que não podia. Só na minha cabeça eu sabia disso. Depois de chamar meu nome por umas três vezes, você ainda disse: sou eu, o Carlinhos, eu não reconhecia sua voz. Reconheci as inflexões, a construção léxica (nem sei se sei o que isso significa).

Queria que você tivesse ficado ainda um pouco parado mudo diante do portão, pensando em nós, de cara pro portão. Queria mesmo que tivesse chorado pelo menos um soluço de saudades. Nossa história. Assim eu teria forças pra permitir também uma lágrima.

No dia seguinte me debati pensando se eu te causava alguma dor. Se era realmente você. Se você ficaria parado de cara pro portão.

Eu tinha que acabar com isso sem querer. Porque não dava mais pra mim. Eu não queria não te querer, mas eu tinha que não te querer mais.

Foi bom encontrar os vidros de perfume ainda cheios, e foi bom amanhecer. Ao contrário de quando a gente dormia juntos, agora era bom amanhecer. Agora era, era bom que o tempo passasse. Me ajudava em alguma coisa, que eu ainda não sei o que é.

Assim como me ajudava não pensar mais em nada. Tentar nem gostar nem desgostar da saudade que eu sentia do teu corpo.

Tentar pensar que ainda estava bem, que tudo estava bem, mesmo que não fosse exatamente assim, também ajudava. Porque na verdade tudo estava bem.

Eu vou te procurar e dizer que não me procure mais as três, nem quatro nem nunca. Eu também não quero fazer isso, mas vou fazer, eu tenho mais medo de mim do que de você agora. Eu tenho medo do que eu posso fazer pra mim mesmo, com as coisas que sinto, você já sentiu isso?

Eu fico inventando que não sofro nada, que é bom que tudo tenha acabado, que foi melhor pra todo mundo, que aquelas frases eram passageiras, que a vida é sempre passageira, e temos que nos desapegar...

Eu não quero te dizer nada disso, porisso estou escrevendo. Pra você mesmo eu não quero e direi: vamos acabar com isso? por favor!

E se tudo correr bem, eu me levanto sem arrependimento, te olho ainda nos olhos, e saio.

Se Deus me ajudar eu não olho nem pra trás.



domingo, 11 de abril de 2010

sábado, 10 de abril de 2010

frases de amigos


Será que vale a pena sair do trilho? Mas se eu sair, conseguirei voltar? Devo seguir algo que não gosto por conta das pessoas que amo?

terça-feira, 30 de março de 2010

rg.18.03.10 - ensaio público




algumas fotos do último ensaio público.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Maldição - Amalia Rodrigues


Letra da musica Maldição:

Maldição (fado)

Que destino, ou maldição
Manda em nós, meu coração?
Um do outro assim perdido,
Somos dois gritos calados,
Dois fados desencontrados,
Dois amantes desunidos.

Por ti sofro e vou morrendo,
Não te encontro, nem te entendo,
A mim o digo sem razão:
Coração... quando te cansas
Das nossas mortas esperanças,
Quando paras, coração?

Nesta luta, esta agonia,
Canto e choro de alegria,
Sou feliz e desgraçada.
Que sina a tua, meu peito,
Que nunca estás satisfeito,
Que dás tudo... e não tens nada.

Na gelada solidão,
Que tu me dás coração,
Não é vida nem é morte:
É lucidez, desatino,
De ler no próprio destino
sem poder mudar-lhe a sorte...

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

futebol sem cueca

Caio Fernando Abreu, MAIS



"sabe, eu me perguntava até que ponto você era aquilo que eu via em você, ou apenas aquilo que eu queria ver em você,
eu queria saber até que ponto você não era apenas uma projeção daquilo que eu sentia, e, se era assim,
até quando eu conseguiria ver em você todas essas coisas que me fascinavam e que, no fundo, sempre no fundo,
talvez nem fossem suas, mas minhas, e pensava que amar era só conseguir ver, e desamar era não mais conseguir ver, entende?"
para uma avenca partindo - o ovo apunhalado

Contribuição da Lorena pra comunidade Caio F. do orkut



quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

MIsha Gordin - fotos

conheça o artista - http://bsimple.com/home.htm

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Caio Fernando Abreu


Desistir
não é nobre.
E arduamente,
não desistimos.
-

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

12 Técnicas de Masturbação


Como todos já sabemos que a masturbação não faz crescer cabelos nas palmas das mãos, nem nos faz ficar ceguinhos, já não temos motivos para não a praticarmos! Também sabemos que por vezes um homem quer ter algum prazer sozinho, sem ter de recorrer a um acto de sedução. Para isso existem algumas técnicas diferentes de masturbação masculina. Isto não implica uma atitude de masturbação compulsiva, ou eliminar outra pessoa da vida. Mas de vez em quando…

Maçaneta da porta
Coloque lubrificante na palma da sua mão e logo que tenha o seu pénis erecto rode a palma da sua mão na ponta do seu pénis como se estivesse a abrir uma maçaneta de uma porta, depois rode no sentido contrário, alterne os movimentos rotativos.

Toque-toque
Masturbe-se normalmente sem tocar na cabeça do seu pénis, quando a cabeça estiver bem dura e vermelha, estimule-a suavemente com a ponta dos seus dedos até conseguir a ejaculação.

Anéis
Coloque lubrificante em ambas as mãos. Junte os dedos de uma mão (polegar e indicador) e forme um anel. Coloque este anel no fundo do seu pénis. Deslize este anel para cima até à glande (onde começa a cabeça do pénis). Nesse momento forme outro anel igual com os dedos na sua outra mão e faça a mesma coisa. Faça movimentos com um anel de cada vez até atingir o clímax.

Fogueira
Coloque as suas mãos esticadas e viradas uma para a outra com o seu pénis no meio das duas. Comece a rodar o seu pénis como se fosse um pau de madeira ao qual deseja pegar fogo. Continue suavemente para não provocar mesmo fogo!

Pegar neles
Da próxima vez que estiver a masturbar-se e sentir que está prestes a ejacular, coloque a sua outra mão sobre o seu escroto e suavemente aperte e puxe-o para baixo. Desta maneira sentirá o sémen a percorrer o seu corpo.

Pancadinha
Embora convenha ter um pénis sensível para esta técnica funcionar, pode sempre experimentar. Mantenha a sua roupa interior vestida e o pénis erecto. Mal sinta que está na sua maior erecção, e sobre a roupa interior dê pancadinhas na ponta do seu pénis com as pontas dos seus dedos. Usualmente leva mais tempo a atingir o clímax, mas quando o conseguir… oh sim!

Mão querida
De pé, vire a sua mão lubrificada para si de maneira a que os seus dedos se encontrem virados para a sua barriga. Coloque o seu pénis contra a sua barriga e cubra-o com a mão; em vez de movimentar a sua mão, deixe-a estática, enquanto movimenta a sua pélvis para que o seu pénis entre e saia na sua mão. É uma maneira parecida com o penetrar de uma vagina, ou quase…

Gelado
Na altura em que se está prestes a ejacular, pegue em alguns cubos de gelo ou mesmo gelo picado na mão que não está a usar. A diferença de temperatura entre as duas mãos na altura da ejaculação levará a uma experiência entre as Caraíbas e o Pólo Norte.

Plástica
Pegue num saco de plástico, e coloque bastante vaselina dentro dele. Coloque o seu pénis erecto dentro do saco, e cubra-o todo de vaselina. De seguida com o seu pénis ainda dentro do saco, coloque o saco entre o seu colchão e uma almofada, e fazendo peso na almofada com as mãos, faça movimentos até ao orgasmo!

Twist
Esta técnica requer um pouco de prática. Coloque algum lubrificante nas suas mãos. Faça um anel com os dedos (polegar e dedo do meio), coloque-o na base do seu pénis e faça alguma pressão para baixo, mantendo a mão assim até ao final. Com a outra mão à volta do seu pénis, movimente-a para cima e para baixo, mas com um movimento twist (rotativo); ou seja desça rodando a mão para a direita e suba rodando para esquerda, adeqúe os movimentos à intensidade que desejar, até à ejaculação.

Paragem
Enquanto se masturba usualmente com uma mão, pare de vez em quando e com a mão disponível faça um anel com os seus dedos (polegar e dedo do meio), coloque o anel à volta do pénis e faça um pouco de força e aperte, depois continue normalmente a masturbação, fazendo pausas destas até ao clímax.

Ritmix
Com uma mão faça um movimento descendeste da cabeça do pénis até à base. Quando chegar à base largue o pénis, faça o mesmo com a outra mão, uma e outra vez, alternando as mãos com algum ritmo.

http://cromossomay.com/artigos/12-tecnicas-masturbacao-para-homem
http://www.gaysexo.tv/gozadas/chupa-o-proprio-pau

piada de hoje

Um casal estava se preparando para ir a uma festa, à noite.A mulher, então, deu ao Gaudêncio, mordomo gaúcho, a noite de folga, dizendo que eles voltariam muito tarde.Como a esposa não estava se divertindo na festa, resolveu voltar para casa, sozinha.Quando a mulher entrou em casa, encontrou o Gaudêncio sozinho na sala de jantar.Ela o chamou até o quarto e virou para ele, usando um tom que ele sabia que deveria obedecer:- Gaudêncio, eu quero que você tire meu vestido.Ele tirou, suas mãos tremiam, e colocou o vestido cuidadosamente sobre a cadeira.- Gaudêncio, agora tire minhas meias e minha cinta-liga.Mais uma vez, ele silenciosamente obedeceu.- Agora, Gaudêncio, eu quero que você tire meu sutiã e minha calcinha ...Olhar cabisbaixo, Gaudêncio obedeceu. Ambos respiravam profundamente, a tensão entre os dois aumentava. Ela então olhou com severidade para ele e disse :- Gaudêncio, se eu pegar você mais uma vez usando minhas roupas, você está despedido!!! Entendeu??? DES - PE - DI - DO.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

artista polones ULF


http://www.libertos.com.br/beagay/galeria/index.htm

Hell?

I Ensaio Público 28.01



obrigado a todos...

Lindo!!! Saiba, todo mundo foi nenem...

Marcelino Freire e o amor:

contribuição das pesquisas do Atton:


grato!

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Apreciação do Tiago Sampaio


Seu experimento ficou menos na questão de gostar e mais no que me despertou de imagens, de lembranças. Enquanto eu assisti me vieram à cabeça duas coisas: a primeira foi esse trecho aí em baixo, de uma novela do Caio, não sei porque, mas é um trecho que eu adoro e te ver metendo o dedo em todos seus buracos me fez lembrar dele de cara. E lembrei também (no momento que você engole a cueca) de um filme pornô que eu vi há muito tempo! kkkkkkkkkkkkk Era uma cena de dois caras transando e no fim um dos caras gozava na cueca e esfregava na cara do outro. Eu nem lembrava desse filme mais, mas de repente a imagem veio louca na cabeça!

(...)

No mais, é isso. Gostei da experiência, e escrevo aqui puro instinto, as coisas que me passaram pela cabeça enquanto os assistia, sem querer entender muito, nem dirigir o que não é meu. Obrigado pelo convite, obrigado por valer à pena, obrigado pela pesquisa, pelo espaço... Obrigado! E merda!


E vamos nos falando...

Beijos!

Thiago




Pela Noite, novela de Caio Fernando Abreu.

"[...]- Amor não existe. É uma invenção capitalista;
- Isso é só uma frase.
- Eu não sei, pode ser.
- Mas se. Tudo bem. Suponhamos que os dois caras se gostem muito um do outro.
- O que já é difícil.
- Pode ser, mas. Suponhamos. Eu já vivi isso. E se realmente gostarem? Se o toque do outro de repente for bom? Bom, a palavra é essa. Se o outro fo bom para você. Se te der vontade de viver. Se o cheiro do suor do outro também for bom. Se todos os cheiros do corpo do outro forem bons. O pé, no fim do dia. A boca, de manhã cedo. Bons, normais, comuns. Coisa de gente. Cheiros íntimos, secretos. Ninguém mais saberia deles se não enfiasse o nariz lá dentro, a língua lá dentro, bem dentro no fundo das carnes, no meio dos cheiros. E se tudo isso que você acha nojento for exatamente o que chamam de amor? Quando você chega no mais íntimo. No tão íntimo, mas tão íntimo que de repente a palavra nojo não tem mais sentido. Você também tem cheiros. As pessoas têm cheiros, é natural. Os animas cheiram uns aos outros. No rabo. O que é que você queria? Rendas brancas imaculadas? Será que amor não começa quando nojo, higiene ou qualquer outra dessas palavrinhas, desculpe, você vai rir, qualquer uma dessas palavrinhas burguesas e cristãs não tiver mais nenhum sentido? Se tudo isso, se tocar no outro, se não só tolerar e aceitar a merda do outro, mas não dar importância a ela ou até gostar, porque de repente você até pode gostar, sem que isso seja necessariamente uma perversão, se tudo isso for o que chamam de amor. Amor no sentido de intimidade, de conhecimento muito, muito fundo. Da pobreza e também da nobreza do corpo do outro. Do teu próprio corpo que é igual, talvez tragicamente igual. O amor só acontece quando uma pessoa aceita que também é bicho. Se amor for a coragem de ser bicho. Se amor for a coragem da própria merda. E depois, um instante mais tarde, isso nem sequer será coragem nenhuma, porque deixou de ter importância. O que vale é ter conhecido o corpo de outra pessoa tão intimamente como você só conhece o seu próprio corpo. Porque então você se ama também. [...]"

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

piada de hoje!


Um sujeito chega num bar e pede seis uísques duplos. - Uáu! - exclama o barman - você deve ter tido um dia péssimo! - Nem me fale - responde o sujeito - fiquei sabendo que meu irmão mais velho é gay. No dia seguinte o mesmo sujeito chega e pede mais seis uísques duplos. O barman pergunta o que foi dessa vez. O sujeito responde: - Acabei de saber que meu irmão mais novo também é gay! No terceiro dia, o sujeito volta a pedir seis uísques duplos. - O que? - pergunta o barman - Será que não tem ninguém que gosta de mulher na sua casa? - Sim, minha irmã...
Diana*1984*
www.superbastardo.com

domingo, 24 de janeiro de 2010

artigo sobre homossexualidade



Interessante artigo sobre a homo-afetividade e a sociedade (aí vai um trecho, e o link esta logo abaixo):

Orientação sexual, também pode ser um conceito perigoso, visto que a ele está associado o termo "escolha sexual", que em nossa sociedade, é mal interpretado. Não existe nesse sentido, uma escolha diante de dois caminhos a serem seguidos, a uma decisão importante, entre um sim e um não, ou entre a escolha de uma refeição diante de um cardápio variado, simplesmente porque ninguém escolhe ser hetero, homo, bi ou qualquer outra natureza sexual que exista nos dias de hoje, como se, com isso, naturalizássemos uma determinada "identidade sexual". Portanto, não existe uma escolha entre ser hetero ou não, ser gay ou não.

mais interessante ainda é um dos comentários:

homosexuais devem ter um problema grande! ninguem é obrigado açeitar os homosexuais. tou farto de revindicações ,vivam a vossa homosexualidade e nâo chataeim ninguem,era só o que faltava levarmos agora com os gays na tv,na radio,nos jornais etc. deixem a sociedade em paz ,já temos problemas que chegem,mas o que querem voçes,que todo o mundo seja gay,ou ser previligiados porque são gays. e mais até pareçe que são especiais só porque são gays. na minha opinião os gays não me aqueçem nem arrefecem e vivo muito bem sem eles!! Posted by: j.martins at agosto 27, 2005 06:42 PM

http://meufilhogay.blogs.sapo.pt/arquivo/608076.html

ser ou não ser?



vale a pena checar esse blog que trata do assunto.
http://psicologiadospsicologos.blogspot.com/2009/04/psicologia-e-cura-de-homosexuais.html

Qual é o problema?


Mas não temos qualquer problema com os homossexuais, mas com o pecado que cometem.
http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20080521164107AAP6vKz

A cura


A orientação sexual pode ter cura?

O Dr. Jeffrey Satinover escreveu de sua vasta experiência com clientes que experimentam a atração pelo mesmo sexo:

“Tenho tido a felicidade extraordinária de encontrar muitas pessoas que saíram do estilo de vida gay. Quando vejo as dificuldades pessoais, a clara coragem que eles mostram não só para enfrentar essas dificuldades, mas também para confrontar uma cultura que usa todos os meios possíveis para negar a validade de seus valores, metas e experiências, fico verdadeiramente admirado... São essas pessoas — ex-homosexuais e aqueles que ainda estão lutando, em todos os lugares dos EUA e em outros países — que permanecem para mim como um modelo de tudo o que é bom e possível num mundo que leva a sério o coração humano, e o Deus desse coração. Em minhas várias pesquisas no mundo da psicanálise, psicoterapia e psiquiatria, realmente nunca antes vi tal profunda cura”.

http://providafamilia.org/doc.php?doc=doc16356

sábado, 23 de janeiro de 2010

sex art



http://www.gaysexart.com

Vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias é contra a união civil gay e o aborto no PNDH-3



BRASÍLIA – O vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados, Pedro Wilson (PT-GO), é conservador quanto à união civil entre pessoas do mesmo sexo e à descriminalização do aborto, previstos no Programa Nacional dos Direitos Humanos 3 (PNDH-3).

http://www.mundomais.com.br/exibemateria2.php?idmateria=1066

transe?dança?macumba?pisa?


Na aula do Jal, ontem, que era acompanhada por um atabaque tive uma experiência interessante. Desde o começo da aula eu já vinha bem concentrado, e o Jal provocava que a gente puxasse as energias do chão. Num determinado momento pediu que nos colocássemos frente a frente e realizássemos uma dança em dupla, utilizando os movimentos experimentados no decorrer da aula. Eu dançava com o Denis. Num dado momento eu comecei a fazer um giro fora do eixo de gravidade numa posição de corpo que me trazia alguma memória que eu não podia dizer de que. O giro foi aumentando a velocidade, até que eu não tivesse mais corpo para suportá-o e caí. Ainda no chão meu corpo sentia resíduos do giro que não terminava, dentro do meu corpo seguia sem pausa. A densidade do meu corpo era tamanha que eu tinha um medo terrível. Me senti dividido: um corpo que executa uma ação enquanto uma consciência contempla. Perdi totalmente a noção de corpo social, só havia um fluxo de energia que eu me dispunha a seguir. Entre flashes da realiade e imagens de movimento dentro do corpo eu não consigo mais reproduzir nem "lembrar" da sensação toda. Sinto que tudo era extremamente corporal e dentro de uma ficção. Sinto uma saudade daquele momento, como se ali tivesse deixado uma coisa que preciso revisitar, um corpo que precisa ser vivido pra experimentar de novo um certo viver ao qual foi privado.

Imagem: Dejando esa Linea,2009, de Xoloti Polo (México)
http://www.facebook.com/album.php?aid=132136&id=176516014793

domingo, 17 de janeiro de 2010

NU

TÃO

DIFICIL

FICAR

NU